X
Menu

Pandemia mudou a vida das pessoas e das empresas

17/09/2020 / FONTE: CQCS

A pandemia desorganizou o presente. Tínhamos tecnologia barata e dinâmica, mas não havia como prever o futuro. A pandemia mostrou que não sabemos também como trabalhar no presente. Foi um grande susto. A reflexão é feita pelo consultor Ricardo Guimarães, primeiro entrevistado do “Fala, Mestre”, novo programa da TV CQCS, inicialmente transmitido nesta quarta-feira (16/09).

Na conversa com Gustavo Doria Filho, fundador do CQCS, em tom informal, mas repleto de dicas relevantes, Guimarães observa que o mercado de seguros deveria ter tido um comportamento diferente ao longo da pandemia, assumindo um protagonismo social que traria ganhos importantes para a imagem do setor: “Ainda não vi qualquer seguradora se posicionar sobre os diferentes riscos, seja na saúde pública ou no desmatamento na Amazônia. Deveriam se posicionar sobre isso e, assim, elevado o nível da relação com a sociedade. Por que não falar em segurança e não apenas em proteção? Por que não alertar o presidente da República, as entidades de classe, levar um benefício para sociedade. Isso colocaria o mercado em outro patamar no relacionamento com a sociedade”, frisa o consultor.

Provocado por Gustavo Doria Filho, o entrevistado comenta ainda os possíveis reflexos do cenário criado pela pandemia sobre a atividade exercida pelo corretor de seguros.

Segundo ele, o seguro fala do futuro, mas não se pode usar o medo natural das pessoas para conseguir fechar um negócio. “Estamos vivendo na sociedade do conhecimento. É preciso ficar claro como o corretor pode me ajudar a ficar bem. É importante, então, cooperar e compartilhar conhecimento para que todos possam viver mais seguros, cuidar da saúde melhor, proteger a casa e os negócios. O significado do seguro para a sociedade deve ser o de não ter acidente”, salienta.

O consultor acentua ainda que o home office misturou o indivíduo com o trabalho, o lazer e a família. Esse novo padrão tem como referência a identidade do indivíduo, que não tem um manual para seguir e não é supervisionado por um chefe. Nesse contexto, ele afirma que estão ocorrendo experiências muito boas com o home office, que trouxe mais simplicidade, eficiência, segurança e economia. Mas, há também pontos não tão positivos, incluindo o de se saber quem se responsabiliza por ações dos subordinados. “É preciso, então, subir o nível de confiança. Mas, as empresas vão evoluir nesse sentido, haverá um ganho legal, um outro padrão de liderança e confiança. As empresas irão fluir melhor, com menor custo, melhor relacionamento”, projeta o consultor.

Ele cita ainda a ferramenta que chama de “visão de helicóptero”, na qual a pessoa procura se “afastar” dos problemas e “elevar” sua visão para que possa compreender melhor, vendo de cima, os problemas para buscar a solução. De acordo com Guimarães, essa ferramenta “vale para a vida”.

O “Fala Mestre” será veiculado mensalmente na TV CQCS, com a participação de especialistas de diversos segmentos, donos das mentes que guiam o futuro da maior comunidade de profissionais de seguros do Brasil. “Este programa pode te inspirar e trazer insights para o teu negócio”, convoca Gustavo Doria.

You Might Also Liked

Seguradoras podem se recusar a pagar sinistro de carro particular com propaganda política Seguro-saúde é exigido em mais de 40 países Seguro rural: Volume de prêmios até agosto atingiu R$ 4,38 bilhões Susep vai criar índice de sustentabilidade verde Seguro ajuda pessoas a driblar inadimplência Quer proteger a casa e acha que seguro é caro? É menos do que você imagina Pix pode impactar o preço do seguro A era das empresas do futuro já começou?